WINDHAND - "Grief's Infernal Flower"
6.5Relapse

Então, o que é que há de novo neste disco que eu não tenha já apanhado em qualquer cena recente de Electric Wizard ou Jex Thoth? É isso, absolutamente nada. Mas parece que é épico e o caralho a sete porque a guitarra soa melhor do que Guiness a cair no meu copo – e soa – e a Dorthia Cottrell tem aquela voz de veludo dos que contam histórias sobre bruxas más ao cair da noite – e tem. Abençoados sejam os Windhand por saberem fazer doom, por copiarem o Jus Oborn quando decidem solar e por repetirem exactamente o mesmo padrão de qualquer banda barbuda que descobriu um universo paralelo nos Saint Vitus. Produção absurdamente boa – que génio és, Jack Endino – mas querem que eu deixe aqui uma listinha de discos melhores nesta onda?

Ah, sim, charros, ganza, etc., ia-me esquecendo.