As coisas acontecem assim. A moral litúrgica com a electrónica elitista, de braço dado e saia rodada, até que um deles lá pergunte foi «tão bom para ti quanto foi para mim»? Hecker escolheu a Islândia para o affair, para consumá-lo onde as noites são mais negras – imitando, desde logo, a sua némesis barbuda Ben Frost. Escolheu vozes «transcendentais», carregou em botões, andou a colar e a corta na casaca para fazer de “Love Streams” um almanaque papal do que é sempre um cochilo carnal entre a máquina bruta e o homem enfezado.

São onze temas, uns quantos convidados, o Icelandic Choir Ensemble também mora nele. Jóhann Jóhannsson junta tudo com o avental dos bons cozinheiros e “Love Streams” acaba com onze faixas. Vem dia 8 de Abril, uma semana depois das pequenas e médias mentiras, pela 4AD, conselheira matrimonial de todas as coisas puras ou impuras.

01 Obsidian Counterpoint
02 Music of the Air
03 Bijie Dream
04 Live Leak Instrumental
05 Violet Monumental I
06 Violet Monumental II
07 Up Red Bull Creek
08 Castrati Stack
09 Voice Crack
10 Collapse Sonata
11 Black Phase