ODC Gang reúne MCs provenientes de outras crews de Odivelas: Mentes Criminosas ou ABK, tendo Allen Halloween como cabecilha. Uma epopeia de rap odivelense que remonta às antigas demos dos próprios Mentes Criminosas e Youth Kriminal.

O som é tão cru que poderia estar a sair de uma cassete, e em termos de rimas, o fio condutor deste Escumalha (Sons da Pedrada) é a própria rua. Suja e inundada de cheiros nauseabundos, onde miséria, droga e crime são expoente máximo e a polícia joga nos dois lados da lei.

Ouve-se no início de Intro 24 horas (Aço) uma voz infantil que antevê o que se passará nas restantes quinze faixas: ”Aqui no jardim da Celeste girou wella, gira angala, o que é que foste lá fazer? Fui apanhar uma granda tála”. Estão então feitas as apresentações. É hora d’O Recreio, malha que tem constado no alinhamento dos concertos de Halloween, à qual dá voz juntamente com Lucyfer. Em cima de um instrumental de percussão simplista, escuta-se uma instável guitarra sombria, sobre a qual o flow dos MCs vai deslizando despreocupadamente.

O experimentalismo é constante no rap da rapaziada da ODC Gang, faceta que conhecemos também dos discos a solo de Halloween. No entanto, o estilo é igualmente bastante old school rap: espelhado em músicas curtas, o instrumental perde protagonismo nas vozes dos MCs, e sonoriadade é, convém novamente frisar, bem crua.

Como Se Fosse Uma Ganza é som de celebração, naquele que é o beat com mais groove do disco e com Dog Bone e Pt encarregues das palavras, resinosas de THC, claro. De seguida Nancy Spulgen: a emblemática namorada de Sid Vicious dá-lhe o título, num som em que os MCs Lucyfer, Halloween, Lennox e Pt relatam sobre paixões perigosas.

Com Swag, Halloween, em menos de 2 minutos, dá-nos uma injecção letal de flow bafiento e sujo, num som que assume quase por completo, apenas com Lucyfer no final a lançar um pequeno refrão. Este que, de seguida, juntamente com Dog Bone, protoganiza Uncle Sam, protesto em tom irónico e de alerta contra o imperialismo norte-americano. Slums lança uma visão panorâmica pelas ruas de Lisboa com relato nas vozes de Halloween, Lennox, Lucifer e Yak.

E já na recta final surje Troika – palavra representativa de um tema que anda na ordem do dia e que na voz da ODC Gang reza assim: ”Eles amam a pátria a puta que pariu, eles amam a pátria a puta que pariu! Eles não amam nada, é money, money!”.