Noite de música no auditório principal do CCB e, perto da hora de começo, a parte exterior não dá sinal de que será uma sala cheia. Todavia, já dentro, o cenário era diferente, fazendo-nos realizar a ausência lá fora como consequência do frio e ventos fortes que se faziam sentir. Não tinham passado mais de cinco minutos da hora, quando a banda surgiu em palco: Margo Timmins (voz) acompanhada pelos dois irmãos – Michael Timmins (guitarra, composição) e Peter Timmins (bateria), bem como o baixista Alon Anton, e mais um elemento que se encarregou dos instrumentos rítmicos e melódicos, típicos da vertente country que cunha os Cowboy Junkies. A entrada em palco deu-se discreta e silenciosamente, silêncio rompido apenas pelos acordes de Wrong Piano, faixa cover contida no disco Demons, segundo volume da box de quatro discos lançada recentemente: Nomad Series.

Após a música introdutória, Margo Timmins dirigiu-se ao público e, não deixando espaços para surpresas, informou que a noite seria adornada por dois setlists: o primeiro dedicado a Nomad Series, em tom promocional, repleto de novos temas que a maioria do público desconhecia. E o segundo, que seria após o intervalo característico das noites de música no CCB, traria o material responsável pela angariação de fãs da banda pelo mundo, e que, aqui em Portugal, encheu parcialmente o grande auditório de Belém.

Poder-se-ia, certamente, pintar um quadro da banda no palco do CCB: não houve qualquer movimento por parte dos quatro músicos. Margo esteve invariavelmente sentada, tal como o seu irmão na guitarra, excepto em malhas mais rock n’roll, provenientes do terceiro volume de Nomad Series – Sing In My Meadow. Foram estas faixas que mais despertaram receptividade no público, com destaque para Late Night Radio, ouvindo-se murmúrios discretos, com elogios (merecidos) ao guitarrista Michael Timmins – sem tirar mérito, no entanto, à restante banda, que compensou largamente o semblante parado com prestações musicais isentas de criticas. As interpretações de Margo Timmins são de um timbre fortíssimo e, ao mesmo tempo, densamente triste e desgostoso, característico do registo lírico da banda. Foi através do hipnotismo da sua voz country, mesclada com jazz e blues, que terminou comFairytail (do álbum Wilderness – quarto volume de Nomad Series), a primeira parte desta primeira aparição da banda canadiana no nosso país.

Segunda parte da actuação de Cowboy Junkies no CCB: a parte dos clássicos. Recebidos com redobrada ovação e, depois de uma introdução embrenhada em distorção de guitarra, surge, como uma nuvem de fumo, Sweet Jane, canção de Lou Reed. Pela primeira vez, o público mexeu os lábios em conformidade com os de Margo. A mesma, que, tal como o instrumental – ainda mais soul que costume – sussurrou as palavras “sweet jane” com o sensualismo característico, no refrão. A Common Disaster impeliu algumas cabeças e pés a abanar, bem como uns tímidos coros durante o refrão desta música, que poder-se-á considerar o hit mais radiofónico da carreira da banda.

Durante o descarregar de clássicos sobre um público sedento, ainda houve espaço, depois de A Horse In The Country, para Margo se referir ao site da banda (com alusão a músicas, inéditas bem como outros projectos dos músicos), apresentar a banda, e referir-se novamente à box Nomad Series. De seguida, o grupo atacou um tema de Neil Young, normalmente tocado no final das actuações: Don’t Let it Bring You Down abriu o caminho, desta feita, para a música que iria despoletar o encore. Misguided Angelsurge numa versão próxima da do disco, terna nas palavras e na voz de Margo, arrancando os coros mais audíveis do público nesta noite. E, depois de uma breve saída de palco, Blue Moon vem acariciar os ouvidos do CCB, canção que constitui um cover de Elvis Presley, e, que na voz de Margo, se impôs como umas das interpretações mais belas do concerto. Actuação que por pouco mais de duas horas percorreu vinte e sete anos de canções, numa prestação dotada de profissionalismo e sobriedade. Margoagradeceu em nome da banda a comparência larga de publico nesta noite, prometeu voltar e relembrou novamente a plateia acerca da box Nomad Series.