O novo disco dos Larkin não é tanto um novo marco na carreira dos vianenses quanto pode deixar antever. Pelo contrário, parece que ainda estamos numa fase de transição muito sensível e frágil: não é tão hardcore quanto o passado registo do agora quinteto, mas não é, também, menos punk do que aquilo que os At the Drive-in propuseram com Relationship of Command e os Refusedcom Shape of Punk to Come.

Cheio de grandes malhas, entre o abanar revoltoso dos corpos à moda de um Party Program sueco e os momentos típicos para saborear notas e explorar melodias tão típicos dos jovens Mars Volta, Elements To Our Desires é a etapa de que os Larkin precisavam para mostrar que têm cartas para dar fora da zona de conforto que os trouxe para a música do mundo – e todos sabemos que essa é a melhor escola, que o diga Magnus Lindberg, o produtor do álbum do vianenses, membro de uma banda que deu os seus primeiros passos no hardcore sueco, os Cult of Luna.

O grande feito aqui, que faz com que esta paragem que se quer curta mereça toda a nossa atenção, é o equilíbrio perfeito entre o tom negro do punk escandinavo e os rasganços de guitarra mais típicos de Omar Rodriguez-Lopez, de que Me and You é um exemplo perfeito, saudosista, quase tributário, mas verdadeiramente angustiante. Claro que nem seria justo esquecerThe Guilded Age ou a menos ortodoxa Connections, com as contribuições de uma orquestra de cordas, que já nos deixam um gosto de como poderá ser o próximo passo da banda.

Elements To Our Desires é um disco de olhos no futuro, que demonstra que os Larkin conseguem transcender-se e que, para contrariar a tendência acidentada da carreira da banda, prova que estes rapazes têm pela frente uma caminhada cheia de árvores para colher frutos. É um verdadeiro prazer ouvir um punk mais expansivo do que os seus próprios limites, mas é uma curiosidade ainda maior saber o que é que eles vão fazer com estes frutos. Estou certo de que valerá a espera, seja ela tão longa quanto os quatro anos que separaram este álbum de Every Living Day Begs the Question, ou não.