Ao ouvirmos o nome Evidence, é mais provável que nos recordemos do single de Faith No More do que de qualquer indivíduo que faz do rap a sua vida. Percebe-se. Apesar de andar de caneta em riste desde 1992, Michael Perretta (Evidence quando a rima se lhe arrima) ainda habita no piso inferior no que à popularidade diz respeito. Com Cats & Dogs, pode apanhar o elevador.

Evidence fez a escola toda na west coast norte-americana, militando nos Dilated Peoples, grupo que atravessou o frenesim da golden age do hip-hop dos States. A rima flui-lhe com naturalidade, mas a lentidão é a sua principal característica. É o Mr. Slow Flow, com orgulho. Sem ser excepcional a cuspir o que lhe vai na alma, Evidence faz de Cats & Dogs um trabalho descentralizado da sua pessoa, concentrando-o nos convidados de luxo. Na produção, então, este segundo disco a solo do norte-americano é de raro e elevado quilate.

Poucos teriam a coragem de recusar a oportunidade de ter como produtores nomes como DJ Premier ou The Alchemist. Evidence não só não tem esse desplante, como consegue reunir alguns dos instrumentais de topo compostos pelos acima mencionados. Seja numa You que nos enrodilha num groove old school à Primo, seja numa Red Carpet que nos recorda aquela beleza espiritual dosCunninlynguists e que prova que os Step Brothers (Evidence +The Alchemist) são uma das melhores duplas que por aí andam. Como senão bastasse, Red Carpet ainda tem um senhor chamadoRaekwon a dar uma mãozinha nas rimas.

Sim, aqueles que decidiram emprestar a sua voz a este disco também não são uns quaisquer. O homem que nos pede sempre um dólar, Aloe Blacc, faz-se ouvir de mansinho na faixa de abertura e Later For The Sky traz dois monstros do underground até ao microfone: Slug, dos reputados Atmosphere, e Aesop Rock relembram-nos o poder do cartel da Rhymesayers.

Os convidados não ficam por aqui, mas, lá está, este é um álbum de Evidence. E não será certamente por acaso que o álbum se faz encerrar com The Epilogue, uma música onde EV se deixa ir na carruagem chill out criada por Premier e que nos incute a sensação de que estamos na presença de um dos emcees mais proeminentes da actualidade e de um dos álbuns que marca o hip-hop de 2011.