Acreditássemos nós numa qualquer força celestial e diríamos que esta não estaria muito feliz com a visita do K.K. Warslut e companhia ao RCA. A meio da actuação o próprio já ia esboçando aquele sorriso meio nervoso de aceitação da desgraça, pronto a lidar com o que quer que acontecesse a seguir. Desde problemas técnicos até (persistentes) wardrobe malfunctions, houve de tudo um pouco. Estarão vocês agora a pensar “ainda bem que não fui, deve ter sido horrível” – só que não. Meus caros, como vocês estão enganados.

Deströyer 666 @ RCA Club, Lisboa

Deströyer 666 @ RCA Club, Lisboa

Deströyer 666 @ RCA Club, Lisboa

Não era preciso uma bola de cristal para adivinhar que o primeiro concerto do ano serviria também para apresentação de “Wildfire”, o novíssimo longa-duração que tanto falatório (merecido) tem dado na imprensa mais underground. O tema-título abriu o set com vigor mas, infelizmente, perdeu para os tropeções provocados por falhas na conexão da guitarra de K.K. e no volume do microfone principal que se prolongaram até ao terceiro tema. Era o desespero de querer atirar o punho no ar na cavalgada enfurecida… montado num cavalo coxo. Ultrapassados estes primeiros contratempos, nada há a apontar de negativo (convenhamos que a luta contra a braçadeira chegou a roçar a comicidade de um sketch dos Monty Python). Para além dos clássicos do costume como “I Am  The Wargod (Ode To The Battle Slain)”, “Black City – Black Fire” e a gigante “Satanic Speed Metal” (que meteu toda a gente a “cantar”), o grande foco passou mesmo pelo novo disco de onde tocaram faixas como “Traitor” e “Hounds At Ya Back”. O momento alto da noite foi, no entanto, a homenagem a Lemmy Kilmister e Philthy Animal com uma cover do hino “Iron Fist” da qual ninguém estava à espera. Destaque ainda para a dedicatória sentida a Selim Lemouchi, dos The Devil’s Blood, que desapareceu há exactamente dois anos. All in all, foi uma daquelas noites que fazem falta: cheirinho a couro regado a cerveja, aquele refrão pronto a ser cantado em uníssono, guitarras que provocam um rush de adrenalina. É isto que nos faz falta.

Deströyer 666 @ RCA Club, Lisboa

Deströyer 666 @ RCA Club, Lisboa

Deströyer 666 @ RCA Club, Lisboa

Deströyer 666

Mas nem só de Satanic Speed Metal se fez a noite. Pouco depois da abertura de portas subiram ao palco os Ordem Satânica, envolvidos num cenário (anti-)eclesiástico, prontos a espalhar a boa nova do black metal mais cru/lo-fi. Em vésperas de lançamento do split com Ruach Raah intitulado “Tradição Decadente”, os três personagens incógnitos destilaram ódio sem grandes conversas para uma audiência ainda em ponto morto. A actuação também não se prestou a acordar mortos, principalmente depois da perda de intensidade fomentada pela passagem do vocalista/guitarrista para a bateria (e vice-versa) e a sua luta constante com a casula.



Ordem Satânica

 @ RCA Club, Lisboa



Ordem Satânica

 @ RCA Club, Lisboa



Ordem Satânica

 @ RCA Club, Lisboa



Ordem Satânica

 @ RCA Club, Lisboa

Ordem Satânica

 @ RCA Club, Lisboa

Ordem Satânica

Os Neoplasmah, por sua vez, cumpriram as expectativas sem grandes percalços. Andar há mais de um ano a apresentar o último “Auguring The Dusk Of A New Era” tem destas coisas: sem falhas, o death metal intergaláctico do quinteto está mais apurado do que nunca, com a vocalista Sofia Silva cada vez mais descontraída, facto esse que também se reflecte no seu desempenho vocal. A atenção aos detalhes ajuda também à maturidade em palco, seja com uma intro teatral, seja com o investimento na imagem em palco. Resta-nos aguardar que o próximo lançamento chegue antes da entrada na próxima década.

Neoplasmah @ RCA Club, Lisoba

Neoplasmah @ RCA Club, Lisoba

Neoplasmah @ RCA Club, Lisoba

Neoplasmah @ RCA Club, Lisoba

Neoplasmah @ RCA Club, Lisoba

Neoplasmah