*arroto*

Estou só a assegurar-me de que sou tão bronco quanto este disco. Nem há muito de pejorativo, calma. Apenas sinto os Black Sheep Wall como homens do lixo que berram merdas imperceptíveis às três da manhã, enquanto reviram as tripas a um contentor empaturrado de vidro.

São exageradamente altos, gostam de fazer barulho por fazer e a amplitude de frequências é a mesma que a ementa dum restaurante londrino de fish & cheaps tem para oferecer. Quase sempre o mesmo riff, quase sempre a mesma chapada na tarola e sempre, mas sempre, os mesmos gritos esganiçados de um vocalista (o centésimo dos BSW) que mais parece patrocinado pela cena Vans Off The Wall.

O “I’m Going To Kill Myself” não é mau. É perturbadoramente eficaz nas nas suas limitações óbvias, na sua bronquidão extrema de quem repete a mesma nota sludge até à overdose, até ao tédio auditivo. Não se leva a sério (título, capa e uma faixa que se chama “Metallica” e dura mais de meia-hora, haha), portanto, para o que é, está bem decente.