Os Aspen são um daqueles casos de derrota auto-infligida que continuam a exigir vingança. Terminado o seu ensaio enquantoCosmic Vishnu, a dupla barcelense, insatisfeita com o seu sucesso obtido, recolhe-se ao seu bunker, recruta um baixista, volta aos treinos nas montanhas – e, no regresso, trazem as próprias montanhas às costas. Isto é uma entrada à Dragon Ball, com a força todo do seu lado, de se fazer notar.

Ao stoner mais arrastado que caracterizava os Cosmic Vishnu, osAspen acrescentaram elementos que acabam por dar uma nova vitalidade à sua música. Nada que Iron Ships on the Silver Sea não fizesse prever, na verdade. Mas é bom ver que os Black Sabbatha correr nas veias do trio doom não se ficam pela riffaria: desde mudanças de andamento a dar um ar mais progressivo à estrutura da música até aos tapings de guitarra a lembrar uns Russian Circles, a banda de Barcelos reúne todos os elementos da música típica instrumental nas composições de Winds of Revenge.

O EP não é, por isso mesmo, um registo de estreia. É um comeback vitorioso numa forma mais vigorosa. Desde as malhas mais furiosas de graves melodias de guitarra em riste, como é a faixa-título, até a socalcos e gargantas pedregosas mais íngremes, a soar à vingança mais mórbida, como mostra Like Crows, They Drop, ou mesmo a quase-drone Owing Lilitt.

Para uma amostra de pouco menos de meia hora, os Aspen mostram que estão em boa forma e que treinaram bem na sua ausência/transformação. Vamos riscar as comparações com o projecto antigo do seu futuro e estar atentos a mais registos da banda. O doom, por muito negro e feio que seja, não se quer velho e a cheirar a mofo. Felizmente que pelas composições dos barcelenses correm boas aragens.