Pensei escrever isto em inglês, mas cansado estou eu de ouvir essa língua todo o santo dia. Um bocado como os Diät em relação ao alemão, que moram em Berlim mas podiam ser destes latifúndos britânicos onde chove quase sempre e quase sempre os pastos são viçosos. É bonito ouvi-los em inglês, a estes barítonos anti-capitalistas que se ainda existisse muro andavam de Lada e ouviam cassetes de The Danse Society na clandestinidade. Acho que o post-punk nunca por uma vez sequer nasceu com o sol pelas costas, mas os Diät são brutalmente densos, mesmo opacos se os apanharmos num mau dia, meio esquizofrénicos estilo Hagar The Womb ou The Mob e a coisa chamar-se “Positive Energy” é uma lambada ironicamente simplista. Até nos corridinhos upbeat que vão dando durante o disco a desolação não se vai embora e ficamos com este sabor a ferrugem preso à garganta… preso… grrrr…. grrrrr….